Rolê em Maceió e Mídias Locais

Algumas mídias locais da capital alagoana divulgaram o trabalho que realizei por lá, publicado aqui na postagem anterior. Trata-se de uma nota no periódico impresso O Jornal e uma matéria na TV Alagoas, filiada do SBT no estado. Pena que ambas trouxeram informações incorretas e por isso julgo considerável me manifestar para esclarecer alguns pontos importantes:

Nota Impressa:
Ao contrário do que diz a nota que segue em imagem abaixo, não trata-se de "recuperação de postos" e sim uma intervenção artística em um ÚNICO posto onde me apropriei da edificação para criar o trabalho a fim de provocar e alterar a percepção de quem por ali passa, além de chamar atenção para locais em desuso como este que podem ser utilizados para outros fins em prol da população.
Não trata-se também de um GRUPO de artistas e sim de um trabalho individual que realizei de forma INDEPENDENTE, arcando inclusive com os custos de todos os materiais utilizados.

Matéria de TV
É notório a distância que a divisão de classes sociais e sua decorrente formação de pensamentos criou entre as pessoas que há muito não se veem como iguais. Dentro disso, fica nítido a posição que o apresentador da matéria no vídeo abaixo toma com seu discurso desconexo, tendencioso, conservador e sensacionalista ao citar o lugar como abrigo de bandidos e o outro ponto como local de uso de drogas e divisão de produtos de roubos por parte dos sem teto e sem terra, além de citar pichadores sem nenhuma necessidade.
Em uma semana que frequentei este espaço entre projetar, realizar e fotografar a obra, conheci diversas pessoas e nenhuma delas se enquadrava no adjetivo de malfeitor, como a palavra bandido sugere, mas sim como vítimas de um sistema de produção e política que favorece interesses econômicos.
Sem teto e sem terra, no consciente popular, já se desenvolveram como nomes de movimentos de resistência e luta por moradia e terras para produzir. Associar o uso de drogas e roubo a estes grupos é descaracterizar o real sentido da busca destes e mais uma vez formar a opinião pública contra o interesse dos não favorecidos dentro desta sociedade classista.
Fica difícil acreditar na simples desinformação ou ingenuidade do repórter e produção do telejornal ao realizar uma matéria assim, bem como na informação sem fontes da nota impressa, mas estamos sóbrios e seguimos no sentido das alternativas de transformação que almejamos. Cada um a sua maneira, é verdade, mas como parte da mesma multidão.

6 comentários:

  1. Na moral, esse cara um péssimo profissional, como a maioria dos apresentadores e reportes das duas maiores filiais aqui em AL. Mal gosto do caralho de quem assiste e perde tempo com esses programas.

    Dênisson Santos.

    ResponderExcluir
  2. No vídeo# O apresentador foi coerente em partes. Porém, infeliz, ao citar o nome 'sem terra' e 'pixadores', é claro, generalizando a situação.
    A arte de Emersom está fazendo a diferença no visual da cidade, falta ainda incentivo e um melhor reconhecimento ao artista.

    André A. Farias

    ResponderExcluir
  3. burro incopetente e veiaco, isso é o queeste rapaz e

    ResponderExcluir
  4. Idiota! até parece que as pessoas "escolheram" levar seus "colchões, travesseiros, fogão" para o coreto de Jaraguá.

    ResponderExcluir
  5. Cara, meus parabéns! continua manifestando tua arte cara! Tenha certeza que tem quem saiba aprecia-la!

    Natan Batista

    ResponderExcluir